quarta-feira, 7 de junho de 2017

OAS usou conta de campanha de Temer para pagar propina a Henrique Alves, diz MPF

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
O MPF (Ministério Público Federal) afirma que a empreiteira OAS pagou R$ 500 mil em valores ilícitos ao ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) por meio da conta de campanha do então candidato a vice-presidente Michel Temer (PMDB) em 2014. A afirmação foi feita no pedido de prisão preventiva contra o ex-parlamentar à Justiça Federal do Rio Grande do Norte. Henrique Alves foi preso na última terça-feira (6) em Natal em uma operação relacionada à Lava Jato.
Da conta de Temer, o dinheiro foi destinado ao diretório do PMDB potiguar, que teria repassado o valor à campanha de Henrique Alves ao governo do Rio Grande do Norte em 2014, de acordo com o MPF. Todas as transações foram feitas em 11 de setembro daquele ano.
Na prestação de contas de Alves enviada à Justiça Eleitoral, consta a movimentação de R$ 500 mil em 11 de setembro de 2014 em uma doação do diretório estadual do partido, citando que o “doador originário” é a OAS S.A..
“Além disso, é relevante consignar que a conta mantida por Henrique Alves na Suíça, para recebimento de propina, foi fechada exatamente em março de 2015, quando as investigações da Operação Lava Jato tiveram início perante o Supremo Tribunal Federal”, lembra o MPF.
O saldo, segundo os procuradores, foi transferido para outras contas secretas, “uma mantida no Uruguai e outra nos Emirados Árabes Unidos”. “Ele continua, pois, ocultando quantias ilícitas no exterior, incidindo em conduta criminosa permanente”, diz o MPF em função de os valores não terem sido sequestrados pela Justiça.
Sem ter sido eleito ao governo potiguar em 2014, Henrique Alves deixou a Câmara em 2015, quando foi escolhido pela então presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) como ministro do Turismo. Aliado de Temer, ele deixou o cargo pouco antes do impeachment da petista, tendo retornado ao mesmo posto no governo interino do peemedebista.
Alves deixou a pasta de vez em junho de 2016 após seu nome ter sido envolvido na Lava Jato.
O MPF, porém, viu com estranheza o fato de ele ter viajado constantemente a Brasília entre a saída do cargo e abril deste ano. “Apesar de não ter nenhum cargo no Governo Federal, viaja constantemente, com periodicidade praticamente semanal, entre Natal e Brasília”.
Para os procuradores, esse trânsito “aponta no sentido de que Henrique Alves persiste atuando na mesma esfera de atividades na qual foram praticados os crimes ora investigados”.
O MPF ainda liga as suspeitas contra Alves ao atual presidente da República. “Concretamente provável que o ora investigado se dirija a Brasília exatamente para com ele estabelecer articulações da mais diversa ordem”.
Procurada pelo UOL, a assessoria do Palácio do Planalto ainda não se manifestou. A reportagem também busca um posicionamento de Henrique Alves e da OAS.
Temor no Planalto
Henrique Alves tinha trânsito livre no Palácio do Planalto, segundo assessores da Presidência. Reconhecido como uma figura do alto escalão do PMDB e do governo, Henrique Alves costumava frequentar o terceiro andar do Planalto para conversar com Temer no gabinete presidencial.
Os encontros de Henrique Alves com o presidente, porém, nem sempre eram registrados na agenda oficial. Neste ano, por exemplo, o nome de Alves não aparece em nenhuma data.
Questionada pelo UOL sobre quando foi a última vez que Henrique Alves se encontrou com Temer no Palácio do Planalto, e qual foi o assunto tratado na ocasião, a Presidência informou que o encontro derradeiro ocorreu em 30 de março de 2017. “Na audiência, foram tratados temas de interesse do estado do Rio Grande do Norte”, disse a Presidência em nota.
Nas palavras de um assessor do governo, a prisão de Alves foi “inesperada”. A divulgação nesta terça-feira (6) –dia em que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) retomou o julgamento da chapa Dilma-Temer– de eventuais gravações que envolvessem de alguma forma o presidente não eram descartadas por sua equipe. Entretanto, a prisão de um auxiliar tão próximo a Temer não estava no radar.
UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário