JOSÉ EUGÊNIO DE FREITAS LUNGUINHO

www.eugeniofreitas.com - JOSÉ EUGÊNIO DE FREITAS LUNGUINHOwww.blogeugeniofreitas.blogspot.com.br

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Supremo abre nono inquérito contra Aécio Neves

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de mais um inquérito para investigar o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). O pedido foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que quer apurar a ocorrência dos crimes corrupção e lavagem de dinheiro. É o nono inquérito a que Aécio responde no STF.
O inquérito é desdobramento de outro, já em curso no STF e surgido após as delações de executivos do frigorífico JBS. O novo inquérito vai apurar informações repassadas pelos delatores segundo as quais Aécio recebeu propinas entre 2014 e 2016. E também medidas que Aécio teria tomado para ocultar a origem de propina paga pela JBS.
Janot destacou que, em interceptação telefônica, Frederico Pacheco, primo de Aécio, pediu para Mendherson Souza Lima, assessor do senador Zezé Perrela (PMDB-MG), fazer um depósito de R$ 500 mil. Outras interceptações mostraram indícios de que o dinheiro seria destinado na verdade a Aécio, dissimulando assim sua origem.
Quanto ao crime de corrupção, Janot sustentou que, em delação premiada, executivos da JBS relataram pagamento de mais de R$ 60 milhões em propina para Aécio em 2014, por meio de notas frias. Em 2015, a empresa o ajudou novamente, comprando por R$ 17 milhões um prédio que valia menos. Em 2016, Aécio solicitou mais R$ 5 milhões, mas o pedido foi negado.
O inquérito original contra Aécio baseado na delação da JBS investiga se ele recebeu propina de R$ 2 milhões do frigorífico, e se tentou atrapalhar as investigações da Operação Lava-Jato. Janot já denunciou Aécio por corrupção passiva e obstrução de justiça. Na denúncia, também pediu a instauração de um segundo inquérito, autorizado agora por Marco Aurélio.
Em nota, Alberto Toron, advogado de Aécio, negou irregularidades. “A defesa do Senador Aécio Neves recebe a informação com naturalidade por se tratar de desdobramento da denúncia inicial. A investigação demonstrará que não se pode falar em lavagem ou propina, pois trata-se de dinheiro de origem lícita numa operação entre privados, portanto sem envolver recurso público ou qualquer contrapartida. Assim, não houve crime”, diz a nota.
O GLOBO

Nenhum comentário:

Postar um comentário