domingo, 13 de agosto de 2017

Carlos Araújo, advogado e ex-marido de Dilma, morre aos 79

Carlos Araújo, ex-marido de Dilma
O advogado trabalhista Carlos Araújo morreu aos 79 anos na madrugada deste sábado (12), às 00h01, no Hospital Santa Casa, em Porto Alegre. Araújo foi casado com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Ele foi internado em 25 de julho. Segundo o hospital, ele “era portador de doença pulmonar obstrutiva crônica, complicada por quadro de miocardiopatia dilatada isquêmica”. De acordo com o médico Sadi Schio, o quadro médico de Araújo “evoluiu com infecção generalizada, determinando colapso circulatório e, finalmente, refratariedade às medidas, com óbito”.
Junto com Dilma, Araújo tinha dois netos e uma filha, Paula Rousseff Araújo, procuradora do trabalho em Porto Alegre.
Araújo nasceu em São Francisco de Paula, município a 90 km da capital gaúcha, nos campos de cima da serra. Seu pai, também advogado, era um militante comunista que usava sua casa para reuniões secretas do partido.
Ele seguiu os passos do pai, mas rompeu com a sigla quando as violações aos direitos humanas praticadas na União Soviética sob o comando de Stálin vieram à tona com a divulgação do Relatório Khrushchov, em 1956.
Quando era adolescente, em 1952, pichava muros com os dizeres “o petróleo é nosso”, com o objetivo de proteger a Petrobras, criada por Getúlio Vargas.

Durante a ditadura militar, Araújo ingressou na organização de esquerda VAR-Palmares. Em 1969, ele conheceu Dilma. Os dois militantes usavam codinomes para se protegerem. Ele era Max e Dilma era Estela. Tanto Araújo como Dilma foram presos e torturados. O advogado foi deputado estadual pelo PDT (1983-1995).
Mesmo separados, Araújo era um conselheiro político de Dilma. Era na casa de Araújo, na zona sul da capital gaúcha, à beira do Guaíba, que a família se reunia nos finais de semana. 
VEJA

Nenhum comentário:

Postar um comentário