ESTADO DO CEARÁ: CASTANHÃO ATINGE 2,94% DO SEU VOLUME TOTAL


O Açude Castanhão, o maior do Ceará, está com volume abaixo de 3%, pela primeira vez desde quando foi concluído, em 2003. Ontem, acumulava 2,94%, ou seja, 196 milhões de m³. Apesar da reduzida quantidade, a barragem vai continuar liberando, por gravidade, 5,2 m³/s pela válvula dispersora para atender demandas da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e das cidades do Baixo Jaguaribe até o fim deste mês.

A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) chegou a colocar, ontem, no Portal Hidrológico, que o reservatório teria atingido o volume morto (reserva de água mais profunda, abaixo da tomada de água por gravidade). Outros 50 reservatórios permanecem nessa situação e 21 estão secos.

Por meio de nota, o órgão informou que não há previsão de bombeamento imediato e que, se a liberação de água por gravidade for interrompida, outras soluções de abastecimento das cidades do Vale do Baixo Jaguaribe estão sendo estudadas para evitar o desabastecimento dos moradores.

A previsão da Cogerh é que a interrupção da liberação de água por gravidade não ocorra antes da próxima quadra chuvosa (fevereiro a maio). Por nota, o órgão reforça: "é necessário aguardar o comportamento das chuvas de 2018 para a adoção de quaisquer medidas".

Para o coordenador do Complexo do Castanhão, que é administrado pelo Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), Fernando Pimentel, a situação é cada dia mais grave. "Por dia, o açude perde de 3 a 4 centímetros em sua coluna de água", frisou. "São liberados diariamente um milhão de m³".

Polêmica

Há uma polêmica entre o Dnocs e a Cogerh sobre o volume morto do Castanhão. Os dois órgãos apresentam dados divergentes. Para o Dnocs, a ficha técnica aponta a cota 71, que foi alcançada em 29 de outubro passado, para início do volume morto, indo até a cota 51. Já a Cogerh entende que o reservatório atinge o volume morto quando a água chegar abaixo da tomada de água (tubulação de 3m de diâmetro).

Fernando Pimentel voltou a afirmar: "Segundo a ficha técnica, o Castanhão tem um volume morto de 250 milhões de m³ e, se na cota atual acumula 196 milhões de m³, já há tempo está no volume morto". Segundo dados do Dnocs, ainda haveria cerca de 7m de coluna de água até se esgotar a reserva mais profunda da barragem. Há um ano, acumulava 5,3%, ou seja, 350 milhões de m³. No fim de 2017, o reservatório recebeu transferência de água do Açude Orós, o segundo maior do Estado, que atualmente está com 6,5% (126 milhões de m³).

Chuvas

Não houve praticamente recarga de água na quadra chuvosa deste ano. As esperanças estão mais uma vez adiada para 2018. "Ainda é cedo para uma previsão do próximo período chuvoso", reafirma o meteorologista da Funceme, Raul Fritz. "Somente em meados de janeiro próximo teremos uma melhor análise".

Fritz explicou que, no Oceano Pacífico Equatorial, desde outubro passado, começou o fenômeno La Niña, esfriamento das águas superficiais. "O La Niña ainda está fraco, mas deve chegar a moderado e persistir até meados de março de 2018", observou. "Mas é bom que se diga que, por si só, o La Niña não garante chuvas e é preciso que o Oceano Atlântico Equatorial dê a sua contribuição".

A contribuição é o aquecimento das águas superficiais do Atlântico Equatorial para atrair a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), uma extensa massa de nuvens, que é o principal sistema causador de chuvas no Ceará de fevereiro e maio. "Em 2012, tivemos La Ninã e foi um ano seco. O Oceano Atlântico tem uma dinâmica, uma mudança de temperatura muito rápida, que traz dificuldades para as previsões a longo prazo", disse.

Até 31 de dezembro o Castanhão vai continuar operando com 5,2 m³/s. A preocupação de lideranças locais do médio e baixo Jaguaribe é a partir de fevereiro, caso não ocorra chuvas para reduzir o risco de colapso.


Fonte: Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boas chuvas criam expectativa de 4ª sangria da Santa Cruz, em Apodi, no RN

JOVEM DE MARCELINO VIEIRA, NO RN FOI MORTA PELO MARIDO EM SÃO PAULO

Grave acidente na BR-405 entre Riacho de Santana e José da Penha foi registrado nesta manhã de segunda-feira