terça-feira, 28 de outubro de 2014

Escrito por Túlio Lemos do Jornal de Hoje

VITÓRIA - Túlio Lemos

Com uma maioria de quase 150 mil votos, Robinson Faria foi eleito governador do RN de forma inquestionável e até, para alguns, inacreditável. Foi a vitória da humildade contra a soberba. Dois palanques completamente diferentes e até desproporcionais. A mega estrutura desmoralizou os grandes líderes com uma derrota inimaginável.
TRANSFERÊNCIA
Henrique contava com mais de 130 prefeitos, elegeu 18 dos 24 deputados, os três senadores, 6 ex-governadores e uma infinidade de lideranças. Porém, a força política não conseguiu envolver o eleitor e a transferência de votos não aconteceu, provocando a derrota.
NATAL
O maior colégio eleitoral do Estado também derrotou Henrique. Na verdade, o prefeito Carlos Eduardo foi o grande derrotado. O marido de Laurita contava com 26 dos 29 vereadores, o prefeito e a vice-prefeita. Robinson não dispunha de lideranças expressivas na capital. Tirou a maioria de 35 mil votos do primeiro turno e aplicou uma vantagem de 13 mil votos no segundo turno.
ERRO
A estratégia do prefeito Carlos Eduardo mostrou-se totalmente equivocada. Se tivesse apoiado a candidatura de Robinson, seria o pai da vitória na capital e poderia garantir sua reeleição. Optou pela reaproximação com a banda da família que tentou lhe derrotar e teve que engolir uma derrota dentro de casa, comprometendo seu futuro.
CANDIDATURA
O grupo político que nasceu da vitória de Robinson e Fátima, deverá apresentar como candidato a prefeito de Natal, o deputado estadual reeleito Fernando Mineiro. Ou seja: a reeleição de Carlos Eduardo não será tão tranqüila como ele gostaria.
LAPADA
O deputado estadual Getúlio Rêgo comprou a briga com o prefeito de Pau dos Ferros, Fabrício Torquato e saiu nocauteado. Disse que Henrique daria uma ‘lapada’ de votos em Robinson e desqualificou a força do prefeito. Foi desmoralizante para Getúlio e seu filho Leonardo a derrota acachapante em seu principal reduto. Falou demais e teve que engolir o fortalecimento da liderança de Fabrício.
JURÍDICO
O departamento jurídico da campanha de Robinson Faria tem muito o que comemorar. Deu um nó na campanha de Henrique e ainda conseguiu preciosos minutos no programa do adversário justamente nos últimos dias da campanha. Henrique terminou a campanha sendo chamado de mentiroso pelo judiciário potiguar. Bons advogados fazem a diferença.
MARKETING
O marketing da campanha de Robinson também saiu no lucro. Conseguiu explorar as fragilidades do adversário sem recorrer a mentiras e soube dosar a intensidade das pancadas. O efeito veio das urnas, coroando a vitória do trabalho do publicitário João Maria Medeiros.
MAIORIA
O jovem prefeito de Mossoró, Francisco José Jr., consolidou definitivamente sua liderança no maior colégio do interior do RN. Ainda no primeiro turno, Henrique esteve com 20% de vantagem sobre Robinson; o prefeito tirou a vantagem do adversário e deu uma maioria de 23 mil votos a Robinson.
MAIORIA II
No segundo turno, o prefeito Francisco José Jr. conseguiu ampliar a vitória de Robinson em Mossoró para quase 50 mil votos. Reescreveu a história da Capital do Oeste sem precisar do respaldo das oligarquias locais. A vitória maiúscula de Robinson em Mossoró sinaliza para a reeleição do prefeito.
PESQUISA
O Ibope cravou o resultado da última pesquisa para governador do RN. No sábado, o instituto revelou vantagem de 8 pontos para Robinson. As urnas apontaram maioria de 8,84%. A Certus errou feio ao apostar no empate técnico.
FORO
A derrota de Henrique lhe deixará sem mandato e sem foro privilegiado. A partir de janeiro, vai ter que se deparar com o juiz Sérgio Moro, que está com o processo originado da delação premiada do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, o mesmo que citou o nome de Henrique como beneficiário do recebimento de propina.
VISITA
A derrota é órfã e Henrique sentiu na pele a ausência de solidariedade daqueles que o acompanharam na campanha. Após ser oficialmente derrotado por Robinson, apenas os primos Garibaldi Filho, Walter Alves e Carlos Eduardo o visitaram. De fora da família, apenas Cláudio Porpino. Se tivesse sido eleito, a Arena das Dunas ficaria pequena para receber os cumprimentos.