Temer efetiva Silva e Luna como primeiro militar a comandar Defesa

Apesar de ter dito inicialmente que a escolha seria uma solução provisória, o presidente Michel Temer (MDB) efetivou o general Joaquim Silva e Luna como ministro da Defesa nesta quarta-feira, 13. A nomeação de Silva e Luna foi publicada no Diário Oficial da União.
O general já comandava a pasta, responsável por dirigir as Forças Armadas, desde fevereiro, quando Raul Jungmann saiu para assumir o recém-criado Ministério da Segurança Pública. A controvérsia se deveu ao fato de a decisão de criar o Ministério da Defesa em 1999, tomada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), foi baseada justamente na finalidade de impor um controle civil aos poderes militares.
A adoção do padrão de escolher um civil também atendia ao interesse de não criar atritos entre o Exército, a Marinha e a Aeronáutica. O temor é o de que haveria dificuldade de impor às demais forças o comando de um integrante de uma delas.
Primeiro militar a chegar ao comando da Defesa, Silva e Luna ganhou nos últimos meses a defesa de colegas para permanecer no cargo, entre eles do comandante do Exército, general Eduardo Villas-Bôas. Revista VEJA
Até a decisão desta quarta, a expectativa era que Temer adotasse uma solução intermediária: nem confirmasse o ministro, nem o substituísse por um civil, mantendo a interinidade até o final do governo, em 31 de dezembro.
Em março, o presidente comentou sobre o tema em uma entrevista à rádio Jovem Pan, dizendo enxergar um certo “preconceito” contra as Forças Armadas nas críticas à nomeação do ministro. “Temos que trazer as Forças Armadas para a administração, precisamos acabar com esse preconceito. Eu disse várias vezes aos oficiais militares que eles não precisam entrar na política, mas que precisam ajudar a administração”, afirmou.
Michel Temer também efetivou nesta quarta-feira outros dois ministros: Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União (CGU), e Edson Duarte, do Meio Ambiente. Rosário estava no cargo provisoriamente há um ano, quando Torquato Jardim foi deslocado para a pasta da Justiça. Já Duarte exercia o cargo desde abril, quando o ex-ministro Sarney Filho (PV) deixou a pasta para se candidatar nas eleições de 2018.
VEJA.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boas chuvas criam expectativa de 4ª sangria da Santa Cruz, em Apodi, no RN

JOVEM DE MARCELINO VIEIRA, NO RN FOI MORTA PELO MARIDO EM SÃO PAULO

Grave acidente na BR-405 entre Riacho de Santana e José da Penha foi registrado nesta manhã de segunda-feira