segunda-feira, 29 de outubro de 2018

5 investigações do MPF que abrem a ressaca eleitoral no RN; apurações vão de servidora de Fátima ao governador do Estado

por Dinarte Assunção
A ressaca das eleições tem o gosto amargo da derrota para alguns. E mesmo aqueles que sairão vitoriosos podem ter dissabores daqui para frente.
Um levantamento nos registros do Ministério Público Federal no mês de outubro revela que há motivos para preocupação para, pelo menos, um apanhado de gente que envolve desde o governador Robinson Faria à estudante Klarissa Medeiros, que foi centro de polêmica contra a campanha de Fátima Bezerra.
Os nomes envolvem ainda o deputado federal Rogério Marinho e o estadual George Soares; além dos  prefeitos de São Gonçalo do Amarante, Paulo Emídio, e Carnaubais, Thiago Mangabeira.
Há ainda casos institucionais, como o uso de bem público da UFRN para fins partidários. Os casos prometem render.
1) Governador Robinson Faria
A megaoperação de segurança pública antes do primeiro turno da eleição já havia sido contestada pelo Ministério Público Estadual. O MPF decidiu fazer o mesmo. A procuradora eleitoral Cibele Benevides instaurou em 17 de outubro procedimento para saber se houve mesmo “propósitos eleitoreiros”.
2) A polêmica da servidora do gabinete de Fátima
Coube ao procurador Fernando Rocha formalizar inquérito civil para apuara as denúncias em face de Klarissa Clara Dias de Medeiros Filho, filha do ex-prefeito de Parelhas, Francisco do PT. O inquérito do procurador explica que o instrumento de investigação quer elucidar “Suposta nomeação em “cargo fantasma” como troca de favores e possível forma de custeio da
candidatura do seu genitor”.

Durante a campanha, o gabinete de Fátima se limitou a confirmar a relação de vínculo com a estudante, mas não informou qual trabalho ela desempenha. Klarissa nunca retornou os contatos da reportagem para apresentar sua versão dos fatos.
3) Rogério Marinho, George Soares e Thiago Mangabeira
Deputado federal e estadual, respectivamente, caíram em investigação porque o prefeito de Carnaubais foi denunciado ao MPF por abuso de poder político e econômico em favor das candidaturas dos dois deputados. Agora, os três são alvo de ação eleitoral.
4) Paulo Emídio
O prefeito de São Gonçalo do Amarante caiu em procedimento de investigação depois que o MPF soube que servidores estavam sendo nomeados na prefeitura em troca de apoio à candidatura de sua esposa, Terezinha, à Assembleia Legislativa.
5) UFRN
A utilização de um micro-ônibus da UFRN não pegou bem e levou o procurador Renan PAes Felix a abrir procedimento contra Washigton José de Souza. Segundo a peça, o equipamento da universidade foi utilizado para transportar alunos para realização de protestos políticos em Natal. Não é citada na peça que campanha teria sido beneficiada.
BG